Uma seleção única de documentos excepcionais

Diferencie-se e invista em seu patrimônio cultural e financeiro a partir de R$ 300.

objetos antigos

O fascinante mundo dos objetos antigos

Antiguidades, relíquias, velharias, recordações, antiqualhas… há uma infinidade de formas para se descrever objetos antigos. E qual dessas palavras é a mais adequada para se referir a eles ? É uma pergunta que não possui apenas uma resposta certa, afinal, tais objetos antigos podem ser uma preciosidade para alguns e apenas sucata para outros.

Milhões de pessoas colecionam os mais diversos objetos em todo o mundo. O que as leva a isso ? Em uma primeira análise, colecionar poderia ser considerado apenas como uma forma de entretenimento, um simples hobby. Mas, com uma avaliação mais profunda, o ato demonstra ser uma atividade mais complexa e importante : o colecionismo, que, além da ideia básica de entretenimento, é uma arte e uma ciência que desenvolve o aprendizado, sendo uma atividade cultural por excelência.

Internet : uma boa ferramenta para achar objetos antigos

Simultaneamente, há também as pessoas que veem a compra de objetos antigos como um investimento, uma vez que ao passar dos anos as relíquias adquirem mais e mais valor. Com a alta procura no Brasil por esse tipo de objeto, foi criado o site www.objetosantigos.com, um portal direcionado a colecionadores e interessados em antiguidade no geral. O site funciona tanto para quem está na busca produtos exclusivos quanto para as pessoas interessadas em vender suas antiguidades e similares.

Para Gabriel Uarian, criador do site, o segmento é bastante promissor, já que objetos antigos podem ser considerados ativos estratégicos. Ao site E-commerce News, o empreendedor relatou : “Se não guardam fortuna ou arte, os objetos antigos são sempre fragmentos de memória e história, ricos testemunhas de época e exercícios permanentes de cultura e reflexão”. De acordo com Uarian, há mais de 500 milhões de pessoas interessadas nesse nicho pela web, atualmente.

Outro caminho muito utilizado são sites como o enjoei.com.br, que intermedeia a compra e a venda de produtos usados, ou o famoso mercadolivre.com.br. Ali, com uma simples pesquisa, é possível achar mais de 600 itens a venda, entre eles relógios, moedas, esculturas, instrumentos musicais e dezenas de objetos decorativos.

Feiras de antiguidades cada vez mais populares

O mundo online pode ser muito eficiente e abrangente para quem gosta de colecionar ou para quem está atrás de uma peça específica, mas sair a procura de objetos antigos fascinantes é uma tarefa que a internet ainda não pode realizar por completo. Sentir o peso, tocar, olhar por todos os lados são ações que só são possíveis ao vivo. Por isso, as feiras de antiguidades são importantíssimas para quem quer comprar, vender ou trocar objetos.

São Paulo é uma das cidades que mais tem opções para os colecionadores. A mais conhecida, é, provavelmente, a Feira Benedito Calixto. Passeio muito popular para os paulistanos e turistas aos sábados, a feira localizada em Pinheiros e próxima ao coração da Vila Madalena agrega música ao vivo, área de alimentação e, é claro, mais de 300 expositores de peças antigas e artesanais. O evento semanal já virou uma atração do calendário cultural da cidade e ali podem ser encontrados móveis, enfeites, armações de óculos, objetos, vinis, brinquedos e até roupas e acessórios em barracas de brechós. É importante ficar atento aos valores e saber negociar, pois as peças costumam variar de acordo com o expositor e o horário. A feira acontece todos os sábados, das 9h às 18h30, na Praça Benedito Calixto.

Outra feira bastante conhecida é a Feira do Bixiga. Com expositores em comum à feira da Benedito Calixto e importância similar na cidade, a tradicional feira de antiguidades da Praça Dom Orione oferece centenas de barracas de objetos vintage e antiguidades. Caso o colecionador esteja procurando por algo específico, é importante sempre ter uma visão geral da feira antes de arrematar os objetos rapidamente, já que há diversos expositores e artigos a venda. Móveis, luminárias, utensílios domésticos de décadas passadas e muitos outros tipos de objetos podem ser encontrados ali.

Leilões não são coisa do passado !

Participar de leilões pode ser a forma perfeita de achar um determinado objeto antigo. Peças que não significam nada para outras pessoas podem ser exatamente o que você está procurando. Participe de um leilão pessoalmente. Assim, você pode ver as peças mais de perto antes de serem leiloadas e tomar decisões com mais cuidado, caso você goste de uma peça em especial.

Tanto no Brasil como no exterior, existem inúmeras casas de leilão famosas como Sotheby´s, Christie´s, Artcurial, Drouot, etc… e muitas outras menos famosas mas com excelentes oportunidades de negócios para os colecionadores. E como tudo nos tempos modernos, os leilões também têm sua alternativa online. Por mais que não seja possível ver de perto os objetos, em algumas situações pode ser que um objeto só seja encontrado dessa forma. Neste quesito, os leilões são o lugar certo para garimpar peças de arte e antiguidades valiosas.

Colecionadores unidos

A arte de colecionar está tão na moda que nos últimos anos alguns encontros de colecionadores foram realizados em diversas cidades do país. Taubaté, por exemplo, abriga o Encontro de Colecionismo, que em 2014 teve sua 4ª Edição no mês de agosto. Uma vez por ano, a cidade do interior de São Paulo é palco desta reunião de colecionadores de todo o país que dura um fim de semana. Na feira, os aficionados podem trocar, vender e avaliar cédulas, moedas, selos, cartões telefônicos, antiguidades e outros itens colecionáveis.

Cláudio Inês é metalúrgico e começou sua coleção depois que recebeu uma doação do tio. « Ele faleceu e a minha tia me deu discos de vinil, então foi onde começou tudo« , afirmou ao site de notícias G1. Já Sílvio Alves é colecionador de notas e moedas há trinta anos e possui uma coleção com as diferentes famílias de cédulas lançadas no Brasil. Desde o cruzeiro até o real e a segunda família, com as últimas notas lançadas. « Eu devo ter aproximadamente umas 5 mil cédulas variadas, que eu fui adquirindo ao longo dos anos e dos planos econômicos que foram passando« , relatou ao portal de notícias.

Um encontro como esse tem como objetivo colocar os colecionadores em contato e fazer com que eles troquem experiências e encontrem itens considerados raros em suas coleções. Uma cédula de 50 reais com o carimbo da assinatura do então presidente do Banco Central, Pérsio Arida, que ficou apenas 6 meses no cargo em 1995, chega a valer R$ 3 mil.

Outro exemplo é o Encontro de Filatelistas e Numismatas, um dos mais antigos do Brasil e que em 2014 teve sua 165º edição no Hotel Castelmar, em Florianópolis. “O colecionador em geral é um estudioso da matéria. Se é selo, precisa entender dos tipos de papel e de impressão. Mas isso vale pra qualquer tipo de coleção” disse o presidente da Associação Filatélica e Numismática de Santa Catarina (AFSC), Luis Claudio Fritzen ao jornal Diário Catarinense. Atualmente, Fritzen coleciona selos (ele vendeu a coleção de moedas há algum tempo para comprar um apartamento).

Há 65 anos a AFSC reúne principalmente adeptos dos mais tradicionais tipos de coleção : as de selos e de dinheiro – cédulas e moedas. A associação também é responsável por promover o Encontro de Colecionadores, que reúne dezenas de pessoas interessadas nas mais diversas relíquias – de canetas a carrinhos de ferro, passando por papel de carta, tampas de garrafa e latinhas de cerveja.

Assim como o encontro de Taubaté, o objetivo do evento é promover o intercâmbio e possibilitar que os colecionadores vendam ou troquem peças de seus acervos. Na última edição participaram representantes de pelo menos 10 estados brasileiros e da capital argentina, Buenos Aires.

Para quem mora no Nordeste, colecionadores de objetos se reúnem no Mercado de Petrópolis, em Natal, Rio Grande do Norte. No mezanino Abraham Palatnik, um grupo de colecionadores de antiguidades se reuniu pela primeira vez em 2015. Moedas, selos, relógios de pulsos e diversos outros tipos de objetos estavam expostos no local. O espaço também era usado como um momento para conhecer colecionadores e buscar novos objetos para coleção.

Luciano Silva, operador de informática, visitou a feira para conseguir novas moedas para a sua coleção. “Estou no ramo há poucos meses, pois eu tinha algumas moedas antigas e por um incentivo de um amigo comecei a colecionar”, disse ao site noticioso Portal no Ar.

Já o francês Didier Bryckaert mora em Natal há 22 anos e disse que desde pequeno foi incentivado a guardar objetos. “Na França, nós colecionávamos tudo. Isto é algo bastante cultural no país”, disse o estrangeiro ao portal de notícias. Atualmente, Didier está desapegando de sua coleção e estimula as outras pessoas a aderirem ao hobby. “Por isso estou vendendo os meus selos com um preço mais em conta, para que as pessoas comecem a fazer sua própria coleção. Os jovens estão colecionando menos, pois a internet facilitou tudo e as pessoas perderam o interesse”, lamentou.

Um dos objetos raros que ele tem na exposição é uma moeda de 5 euros com o rosto do piloto Ayrton Senna, na qual o Governo de San Marino produziu em homenagem aos 20 anos de morte.

Como avaliar os objetos antigos ?

Para quem quer entrar nesse mercado e não sabe como avaliar os objetos, seguem algumas dicas muito importantes :

Estude o item ! Se você tem caixas cheias de objetos ou apenas um item que deseja avaliar, é preciso estudá-lo. O estado geral do objeto pode determinar se ele é muito valioso ou simplesmente inútil. Atente-se a qualquer dano, rachadura, ferrugem, se ele está torto ou tem qualquer tipo de desgaste. Uma lâmpada antiga que esteja bem conservada terá um valor muito maior do que aquela que tiver uma rachadura. Certifique-se de inspecionar o objeto por inteiro para não ter surpresas.

Saber a história do objeto também é essencial. Vá para livrarias ou utilize uma biblioteca ou a Internet para pesquisar o mais profundamente possível sobre a antiguidade que está avaliando. Há diversas histórias de pessoas que doaram ou venderam muito barato algumas antiguidades de valor inestimável para lojas de objetos de segunda mão, simplesmente porque não estavam cientes do valor de suas peças. É importante pesquisar para não ser o próximo protagonista de notícias como essas.

Esteja ciente das tendências atuais do mercado. Alguns guias de preços são atualizados mensalmente, por isso, se estiver usando um guia de preços de 5 anos atrás para determinar o valor do seu item, então você terá uma avaliação extremamente desatualizada do objeto. Muitas revistas de antiguidades têm tabelas de valores de cartões esportivos, moedas e selos que são atualizadas mensalmente, por isso busque o guia de preços mais atualizado possível. Não se esqueça de subtrair algum valor do seu objeto antigo caso ele apresente qualquer tipo de desgaste.

Veja se o objeto é raro. Se não existem muitos itens similares ao seu no mercado, ou ainda se for uma peça única, isso influenciará muito o seu valor de avaliação. Atente-se a marcas em sua antiguidade que a tornem única. Números de série, assinaturas ou certificados de autenticidade facilitam a avaliação.

Finalmente, depois de você já ter pesquisado ao máximo, procure um profissional para avaliar seu objeto antigo. Lembre-se que avaliações online não são 100% confiáveis. de avaliação online porque, uma vez que o avaliador não está olhando o objeto pessoalmente, o valor será altamente impreciso. Pesquise bastante antes de investir em um avaliador, que pode acabar sendo bem pouco profissional.

Onde restaurar os objetos antigos de forma confiável ?

Quando o assunto é restauração, um a das primeiras questões que aparecem é o valor desse trabalho tão minucioso. Para recuperar itens como quadros famosos e bem cotados no mercado, o custo de uma restauração profissional é, geralmente, de 10% se seu valor integral de venda. Mas para peças sem tanto destaque, o preço das restaurações variam de acordo com o tipo de trabalho que é necessário realizar e da peça em si.

Quem se interessa por antiguidades e gostaria de restaurar os objetos para venda ou para uso, é preciso escolher um local confiável para tal tarefa. O Fifities Restaurações, por exemplo, é especializado em restauração de objetos vintages, da década de 50 e até de carros antigos.

Para quem quer restaurar uma peça mais artística, um bom local é o A Capela Móveis Antigos, que é especializado em mobiliário, espelhos e objetos decorativos. A loja fica na Rua Cardeal Arcoverde, 1285, no bairro de Pinheiros, São Paulo. Além de restauro, o local ainda oferece os serviços de Compra, Venda e Locação de objetos antigos.

A restauração, uma oportunidade de negócio

Os amantes de restauração podem ainda fazer disso um negócio. Há diversos cursos pelo país. O Sebrae – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, por exemplo, oferece o curso para conservador/restaurador. Ali, você aprenderá as técnicas para restaurar objetos que possuem valor considerados bens culturais e atuará na conservação e restauração de bens móveis, como livros, manuscritos, pinturas, fotografias, objetos e esculturas. A atividade pode ser exercida com vínculo empregatício em instituições públicas e privadas ou ainda de forma autônoma, com a montagem de um ateliê de restauração independente.

Mais uma opção para quem mora em São Paulo é o centro técnico Templo da Arte, que oferece o curso de Técnico em Conservação e Restauração. Com carga horária de 880 Horas, o curso visa instrumentalizar o aluno para o estudo e a pesquisa em conservação e restauração de obras de arte ou objetos artísticos. O curso também garante o ensino das habilidades específicas técnicas, bem como os conhecimentos teóricos para a realização de trabalhos nas áreas de conservação e restauração de objetos antigos e obras de arte de forma responsável e ética, seguindo as diretrizes, resoluções, as cartas e conselhos internacionais e nacionais.

Para os moradores do Rio de Janeiro, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) tem a opção de graduação em Conservação e Restauração na Escola de Belas Artes da instituição. O curso tem por objetivo criar uma estrutura adequada à formação de profissionais de nível superior capazes de conservar e restaurar o patrimônio artístico e cultural a partir dos mais altos valores éticos e estéticos.

A graduação, que é composta de 8 períodos e de uma diversidade de matérias optativas, tem como meta realizar estudos e pesquisas teóricas referentes à preservação das artes plásticas em colaboração com áreas afins como História e Crítica da Arte. Com isso, você aprenderá as leis do mercado de arte, as práticas de curadoria para exposições e a gestão de negócios relativos à cultura e os conhecimentos de novas linguagens artísticas.

Colecionismo : investimento e hobby

Há muitas teorias que tentam explicar o sentimento único que algumas pessoas experimentam ao colecionar objetos : nostalgia das coisas perdidas, desejo pelo que é raro, apego a símbolos ou o prazer de possuir artefatos históricos são algumas delas. Mas em todos os casos há um denominador comum – o colecionador adora o que faz.

Seja por hobby ou investimento, o colecionismo vem ganhando mais adeptos, popularidade e, consequentemente, abrindo novos caminhos para garimpar antiguidades de diversas formas. Este é um mundo vasto, mas com pesquisa e as informações certas, você poderá adquirir objetos únicos, tanto com alto valor de mercado ou, melhor ainda, alto valor pessoal.

o mundo das antiguidades
Escrito por

Mathias Meyer tem 41 anos, é colecionador e fundador da coleção Glórias, especialista em avaliação, compra e venda de documentos raros.