Sobre o mesmo assunto

Em 1941, em Petrópolis, o principal representante da família imperial, escreve para um embaixador no Rio de Janeiro.

Carta assinada por Dom Pedro Gastão para um embaixador. 4 páginas, as 3 últimas em branco. Papel grosso, com selo oficial da família Imperial. Em francês. 16,4 cm x 20 cm. Petrópolis, Brasil. 2 de agosto de 1941. Bom estado. R$ 450.

(…) Agradeço a Vossa Excelência por sua amável carta do dia 12 ; demorei para responder devido a uma viagem a Minas. Fiquei muito feliz em recebê-la, através de sua Excelência, uma tão boa notícia e espero em breve ter o prazer de encontrá-lo no Rio.

Dom Pedro Gastão (1907 – 2007) era neto do Princípe Gastão de Orléans et da Princesa Isabel, e irmão da Condessa de Paris. Nasceu na França no Castelo d´Eu, onde viveram seus avós paternos durante a vigência do banimento da família imperial brasileira. Ao longo de sua adolescência, o príncipe veio apenas algumas vezes no Brazil, concluiu seus estudos na Europa e estabeleceu-se no Brasil a partir da Segunda Guerra Mundial, em Petrópolis.

Segundo Wikipedia, « Lá, Dom Pedro Gastão se tornou uma das figuras mais populares da família imperial e uma espécie de embaixador da causa monárquica e representante vivo do passado imperial do Brasil. Acumulou nos arquivos de sua residência milhares de documentos e obras de arte que até hoje ajudam a contar a história da dita Cidade Imperial. Era Pedro Gastão também quem recebia os presidentes da república em vilegiatura na cidade. Ele orgulhava-se de haver conhecido todos os chefes de estado brasileiros, desde Epitácio Pessoa até Fernando Henrique Cardoso ».

Por que esse documento é raro ?

Temos aqui uma carta em excelente estado de Dom Pedro Gastão, pouco depois da sua chegada em Petrópolis, em plena Segunda Guerra Mundial. Apreciamos também o selo oficial e a bela assinatura do Príncipe,

♦ R$ 450 ♦