Sobre o mesmo assunto

Conjunto inédito de 57 cartas e bilhetes escritos por Jorge e Zélia Amado a partir dos anos 1960.

Excepcional conjunto de 57 cartas, manuscritas ou datilografadas, por Jorge Amado e sua esposa Zelia para o casal de amigos Antônio e Zora Olinto. Em português. Diversos Tamanhos. Paris, Londres, Lisboa e Bahia. Anos 1960, 1970 e 1980. Excelente estado em geral. Eu gostaria de agradecer Josélia Aguiar por sua contribuição na descrição desse conjunto. Jornalista em São Paulo, Josélia prepara uma biografia sobre Jorge Amado.

Visualizar todas as cartas

Frente da carta 30 do conjunto. Salvador, 07/02/77, por Zelia (primeira e segunda páginas) : 

Temos andado com a casa cheia (…). Primeiro foi [Georges] Moustaki que nunca está só. (…) E atrás da fama vieram meninas de várias idades e nacionalidades. A casa se movimentou muito nessas três semanas de sua estada aqui.

No meio dessa confusão toda Jorge retomou seu trabalho. Releu tudo que havia escrito, de cabo a rabo, e recomeçou a escrever. Passa as manhas inteiras na máquina mas nunca antes de darmos uma andada de 40 minutos para desenferrujar. Aos domingos recebemos amigos para o banho de piscina.

A Bahia, nestas vésperas de carnaval e neste calor de férias, fervilha de turistas. A ordem que os empregados tem é de dizer que estamos fora, que Jorge trabalha numa fazenda. Assim mesmo, há os que não acreditam e que insistem.

Autor mais adaptado no cinema, no teatro, no Carnaval e, sobretudo, na televisão brasileira com inúmeras novelas de sucesso, Jorge Amado (1912 – 2001) foi um dos mais famosos escritores da literatura brasileira. Traduzida em 55 países e 49 idiomas, o sucesso da sua obra foi superada apenas por Paulo Coelho.

Grande admiradora da obra de Jorge Amado, Zélia (1916 – 2008) começou a trabalhar com Jorge Amado em 1945 no movimento pela anistia dos presos políticos. Pouco tempo depois, os dois escritores se casaram e Zélia decidiu ajudar o marido revisando e digitando na máquina os manuscritos originais dele. Viveram no Rio de Janeiro, em Paris e na Checoslováquia, onde Zélia iniciou o projeto de fotografar Jorge, permitindo um registro de todos os acontecimentos chaves da vida do escritor. Finalmente, se mudaram para Salvador, na Bahia, a terra natal.

Por que esse documento é raro ?

Antonio Olinto e Zora Seljan estavam entre os mais íntimos amigos de Jorge Amado e Zélia Gattai. No intervalo das visitas, a correspondência entre os dois casais era intensa.

A cultura afro-brasileira era tema constante, dado o interesse que Olinto e Zora tinham no assunto ; um dos outros temas de destaque é o assédio intenso que sofria Jorge Amado, muitas vezes obrigado a sair da Bahia acompanhado de Zélia para ter um pouco de sossego em Londres, capital onde Olinto residia com sua mulher ; entre os outros assuntos comentados por Amado e Zélia, há ainda notícias sobre os Candomblés da Bahia, o processo de escritura de Jorge, os livros lançados pelos amigos (Olinto e Zora eram prolíficos escritores), viagens que fizeram à Itália e à França, o cotidiano da casa da Bahia sempre repleta de visitas – inclusive de outras celebridades – e as relações de negócio com a televisão e o cinema.

Temos aqui um conjunto excepcional cobrindo três décadas da vida e da carreira de Jorge Amado.

♦ R$ 25.000 ♦