Sobre o mesmo assunto

No auge da construção de Brasília, o grande arquiteto brasileiro, seleciona novos colaboradores com Athos Bulcão.

Carta manuscrita, com cabeçalho do arquiteto, de Oscar Niemeyer para Athos Bulcão. Uma página. Em português. 21 cm x 27.6 cm. Sem informação sobre a localização (provavelmente Brasilia). 1957, 1958 ou 1959. Papel de seda muito fino e frágil, pequenos desgastes nas margens e um rasgo maior (~2 cm, não atinge o texto) na lateral direita. A lista de arquitetos mencionada por Niemeyer não foi encontrada. R$ 7.500.

OSCAR NIEMEYER FILHO – ARQUITETO.

Bulcão,

Esta é a lista dos arquitetos. Vocês  podem destacar da mesma aqueles que compareceram e  contribuíram  na reunião  da minha casa.

O retrato é para usar somente a cabeça, se for necessário.

Abraços,

Oscar

Em 1956, o Presidente Juscelino Kubitschek (1902 – 1976 ) decide construir Brasília e confia o projeto a Oscar Niemeyer (1907 – 2012). A ideia era transferir a capital do Rio de Janeiro para o interior do país, povoando aquela região. Pessoas do país inteiro, especialmente do nordeste, foram contratadas para a edificação da cidade, inaugurada em 1960. Nesta carta o arquiteto ainda usava Oscar Niemeyer Filho no papel de carta, indício de que ela foi escrita em 1957, 1958 ou 1959, quando o pai dele ainda estava vivo e Brasília em plena construção.

Por que esse documento é raro ?

Em primeiro lugar, esta carta, uma prova da metodologia de trabalho de Niemeyer, traz informações sobre a rotina de contratação dos arquitetos, como no seguinte extrato da biografia de Oscar Niemeyer, por Marcos Sá Corrêa :

Naquele fim do mundo, eu precisava de boa conversa. Com eles batia papo sobre outros assuntos não precisava falar só de arquitetura. Todos juntos, num correr das casas populares já construídas. O conforto era pouco : uma sala, dois quartos, banheiro e cozinha. Meu quarto  era pequeno : um catre, um pequeno armário provisório e um banco como mesa de cabeceira.

Outro ponto notável é o destinatário da correspondência, O Bulcão, alias Athos Bulcão (1918 – 2008). Ele foi um dos principais colaboradores de Niemeyer e é considerado o decorador de Brasília. As criações de Bulcão fazem agora parte da paisagem e do patrimônio de Brasília, especialmente seus famosos azulejos com formas geométricas e seus painéis de mármore. Nascido no Rio de Janeiro, Athos Bulcão trocou a capital carioca pela do cerrado em 1958, quando tinha 40 anos (época desta carta) e a capital federal era pouco mais que um imenso canteiro de obras.

Enfim, observamos a assinatura informal de Niemeyer que termina sua carta com um raro « Oscar ».

Segundo a Brasiliana Itaú, « famoso como arquiteto desde os anos 1930, Niemeyer assinou inúmeros esboços, frequentemente presenteados a amigos. Por outro lado, suas cartas e manuscritos, sobretudo com conteúdo importante, como este, são mais raros. »

♦ R$ 7.500 ♦