Sobre o mesmo assunto

O fundador da famosa marca francesa de Champagnes de Reims, negocia com um produtor de Cognac, em 1885.

Carta manuscrita de George Hermann Mumm, dono da famosa casa de Champagnes, para Lucien Foucault, produtor de Cognac. Quatro páginas (mas duas em branco). Em francês. 20,7 cm x 27 cm. Reims (França), o dia 15 de janeiro de 1885. Excelente estado. R$ 1.500.

Degustamos atentamente e comparamos sua amostra aos conhaques de outros fabricantes, e lamentamos ter a obrigação de lhe dizer que seus destilados não convêm à aplicação feita por nós. É necessário, para ser combinado aos nossos vinhos, que o destilado seja completamente neutro e puro ao paladar, trata-se de uma condição absoluta (…).

Um dos principais produtores de Champanhes do mundo, como Veuve Clicquot e Moët e Chandon, a casa G.H. Mumm foi fundada em 1827. Em 1853, Georges Hermann Mumm , filho do fundador, dá o seu nome para a marca e define uma estratégia comercial que permite a casa expandir rapidamente suas adegas e compra os melhores vinhedos. Na década de 1890, os Champagnes Mumm já fornecem oficialmente as famílias reais na Inglaterra, Suécia, Dinamarca, Noruega, Bélgica , Prússia, Áustria- Hungria, Países Baixos e Espanha, assim como cruzeiros, hotéis, restaurantes e clubes de luxo. Nos dias de hoje, é também patrocinador oficial de grandes eventos esportivos, como os campeonatos mundiais de formula 1 e de basquetebol americano (NBA). O « Cordon Rouge » é um símbolo de prestígio e estilo de vida em uma centena de países.

Neste ano 1885, G. H. Mumm negocia com Lucien Foucault, dono de uma respeitada fábrica de Cognac francesa, para comprar parte da sua produção que entraria na composição dos Champagnes. Porém, G. H. Mumm não ficou satisfeito com as degustações e faz uma outra proposta comercial para Lucien Foucault, que parece ser a compra de Cognac para exportação, outra especialidade da casa Mumm.

Stéphane Kraxner, responsável dos arquivos das empresas Mumm et Perrier-Jouët, em Reims, explica as relações entre produtores de Champagne e de Cognac na época :

(…) De fato, como você provavelmente não ignora, o champagne precisa expelir os resíduos de fermentação para ser transbordado, purificado. Além disso, durante esta operação sempre se perde algum produto, necessário para completar a garrafa. Se hoje em dia é feito com vinhos mais velhos ou vinhos da safra, esse não era o caso no século XIX e início do século XX. A maioria das casas de champanhe operava os seus vinhos com uma mistura de vinho velho e espírito de conhaque que lhes permitia corrigir níveis de álcool muito baixos por certos anos. O progresso da fermentação e o domínio dos métodos de elaboração, champanhização, rejeitaram essas técnicas até o esquecimento.

Além disso, as casas de Cognac e casas de Champagne têm visto um certo interesse de serem representadas pelas mesmas pessoas nos mercados: as duas bebidas representando, ambas, o luxo francês. Finalmente, a reunião do grupo LVMH Moët et Chandon e Hennessy engendrou outra reaproximação do mesmo tipo como Pernod-Ricard ou a filial Martell Mumm Perrier-Jouët reunindo os dois produtos em uma gestão comum de bens de luxo (…).

Por que esse documento é raro ?

Manuscrita pelo próprio punho de G.H. Mumm, com uma bela caligrafia e uma assinatura prestigiosa, esta carta é particularmente valiosa para os amantes de vinhos, Champagnes e Cognac franceses.

♦ R$ 1.500 ♦