Avaliação, Compra e Venda de Documentos Raros

Autógrafos, Bilhetes, Cartas, Cartões de visita, Dedicatórias, Catálogos, Desenhos, Fotografias, Manuscritos, Partituras, Telegramas, Etc

 

dicas conservação documentos

Dicas de conservação para seus documentos

Os problemas mais comuns de conservação dos documentos

O papel, material que trás consigo um legado milenar, manifesta, dentre as suas diversas modalidades de produção e aplicações, um uso possível como suporte de registros gráficos. Estes, quando escritos ou impressos, percorrem diversas classes sociais e constituem a maior parte dos acervos documentais e bibliográficos.

Oriundo do processamento de matérias vegetais fibrosas, como o algodão, pinheiro ou eucalipto, o papel, se apresenta vulnerável a diversos processos de deterioração e degradação, quer sejam intrínsecos, quer extrínsecos a ele. Os agentes intrínsecos de deteriorações, diretamente à constituição do papel, seu tipo de fibra, à presença de particulados metálicos e resíduos químicos, oriundos da sua fabricação ; os extrínsecos, por sua vez, associam-se aos agentes físicos e biológicos, como a temperatura e umidade do local de guarda, poluição atmosférica, manuseio incorreto ou acondicionamento indevido.

Neste sentido, podemos considerar que as variações e instabilidades da umidade e temperatura do local de guarda do acervo, podem acarretar, além da contração e estiramento das fibras do papel, no surgimento de micro-organismos e insetos, fatores que colocam em risco a integridade física e durabilidade das obras que constituem o acervo. De modo a evitar os mencionados danos, a temperatura ideal para o acondicionamento de um acervo documental, é de 20ºC de temperatura e 50% de umidade relativa do ar.

As embalagens de acondicionamento, desde que produzidas com materiais neutros e estáveis quimicamente, proporcionam uma barreira contra o clima externo e um micro-clima interno, reduzindo internamente as oscilações climáticas e retardando a deterioração fotoquímica, proveniente da exposição do acervo a luz natural ou artificial.

Também nocivos aos acervos documentais, os poluentes atmosféricos, como os gases ácidos devido à queima de combustíveis – que podem acelerar a deterioração do papel, promovendo reações químicas – e os materiais pulverulentos que, por ação mecânica ou natural, são depositados sobre as obras, oferecem grande risco a sua estabilidade física. Em grandes acervos, sistemas de ventilação adaptados e filtros de retenção de componentes danosos ao material documental são utilizados como medida de proteção.

Não obstante, a ação humana (o manuseio inadequado das obras que constituem o acervo) sobre obras manuscritas, impressas ou tridimensionais (encadernadas), colocam em risco iminente a integridade física das obras.

Algumas medidas preventivas para conservar documentos

Alguns procedimentos podem favorecer um maior tempo de vida útil, e contribuir de forma efetiva para a conservação preventiva do acervo:

1. Manusear as obras com ambas as mãos limpas e utilizando luvas de algodão, sempre em uma superfície lisa.

2. Não sobrepor obras em contato direto, em casos necessários, utilizar placas de papel cartão neutro, o que dificultará a possível migração de aditivos químicos de uma para o outra.

3. Evitar qualquer superfície ou objeto que cause abrasão ou marcas na obra.

4. Não utilizar fitas adesivas – devido sua composição química – ou prendedores metálicos nas obras.

5. Acondicionar as obras em posição vertical, evitando a compressão com o auxílio de bibliocantos, em invólucros e/ou caixas de material neutro e estável quimicamente; obras de grandes dimensões devem ser acondicionadas na horizontal, sendo sobrepostos no máximo três volumes.

6. Evitar a presença de qualquer tipo de alimento no local de guarda e manuseio das obras.

Visando minimizar os detrimentos sofridos pelas obras, as ações de conservação, acondicionamento e manuseio adequados, em diálogo com as prioridades do acervo, são importantes e efetivas ferramentas para a vida útil e permanências de obras documentais, pertençam elas a um grande ou pequeno acervo.

Article escrito por Heuvath Alquimim, estudante graduando em Conservação-Restauração de Bens Culturais Móveis na Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências bibliográficas

SPINELLI Júnior, Jayme. A conservação de Acervos Bibliográficos e Documentais. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, Dep. De Processos Técnicos, 1997.

GÜTHS, Saulo; CARVALHO, Cláudia S. Rodrigues. Conservação Preventiva: ambientes próprios para coleções. In: GRANATTO, M.; SANTOS, P. C.; ROCHA, C. R. A. (Org.). Conservação de Acervos/Museu de Astronomia e Ciências Afins. Rio de Janeiro: MAST, 2007. P. 25-45.

GUIMARÃES, Lygia; BECK, Ingrid. Conservação e restauração de documentos em suporte papel. In: GRANATTO, M.; SANTOS, P. C.; ROCHA, C. R. A. (Org.). Conservação de Acervos/Museu de Astronomia e Ciências Afins. Rio de Janeiro: MAST, 2007. P. 45-61.

SPINELLI. J.; BRANDÃO. E.; FRANÇA, C. Manual técnico de preservação e conservação. Rio de Janeiro:Fundação Biblioteca Nacional, 2011.

a conservação de obras
Escrito por

Mathias Meyer tem 41 anos, é colecionador e fundador da coleção Glórias, especialista em avaliação, compra e venda de documentos raros.